Deprecated: The $control_id argument is deprecated since version 3.5.0! in /var/www/todayscrypto.news/wp-content/plugins/elementor/modules/dev-tools/deprecation.php on line 304
A Bizarra Ascensão da 'Bitcoin Citadel' - Today's Crypto News
Home » A Bizarra Ascensão da ‘Bitcoin Citadel’

A Bizarra Ascensão da ‘Bitcoin Citadel’

by v

Ben Munster vai em busca da Cidadela Bitcoin, onde a ‘eterna escravização da humanidade a uma pequena elite’ é o sonho utópico para Bitcoin maxis.


Em 2013, um Redditor com o nome de Luka Magnotta, esperemos que não o convicted Canadian murderer, entregou uma fantasia sinistra de um futuro em que os Bitcoiners reinarão supremos.

Posando como um viajante do tempo a partir do ano 2025, Magnotta descreveu esse ano como uma distopia extremamente desigual dividida entre os investidores de Bitcoin e todos os outros. Na sua imaginação, Bitcoin já, em 2013, mostrando sinais da sua extraordinária tendência ascendente, tornar-se-ia tão valioso que apenas as pessoas e nações que nele acumulam a sua riqueza sobreviveriam. Os governos, incapazes de tributar as explorações da Bitcoin, entrariam em colapso. Regimes autoritários como a Coreia do Norte e a Arábia Saudita, capazes de acumular Bitcoin, subiriam.

O post da Magnotta era muito popular, com os entusiastas do Bitcoin a agarrarem-se a um aspecto em particular: A Cidadela Bitcoin.

Magnotta escreveu que no futuro o Bitcoin tornar-se-ia tão apreciado que os proprietários ricos basicamente qualquer um que possuísse mais de 0,1 BTC em 2013 e que não explodisse tudo em crack isolar-se-iam em fortalezas longínquas e cidades-estado. Estariam armados até aos dentes; paranóicos além das medidas; perseguidos por terroristas (Magnotta relata que os Winklevii, tragicamente, estão entre os mais proeminentes Bitcoiners a serem assassinados pelas suas explorações). Mas seriam também gloriosamente auto-suficientes; inoculados contra o colapso da sociedade em larga escala; alegremente, libertários, satisfeitos.

Conceber a ideia errada

Obviamente, a visão delineada pela Magnotta destinava-se a ser distópica. Ele descreveu-a como a “eterna escravização da humanidade a uma pequena elite”, suplicando aos leitores que “destruíssem este projecto abandonado por Deus na sua infância”.

Mas alguns Bitcoiners pareciam ter ficado com a ideia errada.

Adoraram a visão da Cidadela Bitcoin, que desde então se tornou um meme muito popular e bem traficado na comunidade. Pesquise “Bitcoin Citadel” e rapidamente se deparará com muitas tomadas de energia, aparentemente de cara recta, da Cidadela fornecimento de energia (o nuclear parece ser a opção preferível), Citadel location scouting (castelo de Edimburgo não tem nada de agradável, mas também talvez … as Pirâmides? ), e declarações de que agora temos a Cidadela e é a nação de El Salvador


Como a ascensão do Bitcoin progrediu exponencialmente, os contornos do sonho da Cidadela assumiram um tom de desconforto comensurável. Fui surpreendido por um post recente pelo “Bitcoin Meme Hub“, que no outro dia parecia sugerir que a série distópica Netflix “Squid Game” era algo a que aspirar: “Hiperbitcoinização” será gloriosa e divertida. Basta pensar em todos os [sic] os nocoiners que estarão a competir por alguns milhões de Sats para sobreviver SatsGame“.

Doente, mano!

Tem havido até murmúrios sombrios sobre uma classe inferior de “escravos sem coiner” ao serviço desta elite marmoreada. A amargura que os Bitcoiners têm em relação aos administradores de sistemas de educação moderada que escrevem blogs maus sobre eles…

Portanto, a questão é: quão sério é esta conversa da Cidadela, na verdade?

Tomando as coisas demasiado literalmente

Muitos apoiantes de Bitcoin são compreensivelmente rápidos a salientar que tudo isto é figurativo. Enquanto a noção de Citadel é mais do que um mero meme, Nic Carter, um mega-touro de Bitcoin franco, disse-me que é sobretudo um “eufemismo para a secessão / balcanização”. Os Bitcoiners geralmente não têm uma tonelada de fé na capacidade do governo para gerir a moeda e atribuir recursos, pelo que o desejo natural é localizar e ganhar mais controlo sobre a atribuição”.

Mas “não é para ser tomado à letra”, reiterou ele. “É basicamente uma metáfora para o indivíduo soberano”. A Cidadela “é uma visualização do tipo de mundo que eles querem verdadeiramente construir um mundo cheio de Singapura, basicamente”.

O lobista da indústria Bitcoin Neeraj K. Agrawal foi um pouco mais franco. “É uma forma de visualizar e contextualizar a riqueza prometida”, disse-me ele.

Será que ele, se pudesse, viveria ele próprio numa só?

“Uma casa gigante de supervilões? Eu desejo isso”, disse ele.

“Quantos escravos sem lata lhe caberiam?” perguntei-lhe com cautela, pensando nas possibilidades de emprego….

Mas Neeraj deu de ombros a isto. “Do meu ponto de vista”, disse ele, “você estaria lá, mas o acordo seria voluntário”. Ou seja, se eu quisesse comer, seria voluntário para “trabalhar”.

Desde sempre, os libertários têm sonhado com este tipo de micro-comunidades costeadas, e isso é completamente gélido com o seu duplo conjunto de crenças políticas – deixar-me-ei a sós/ter-me-ei-ei-disposto. E, um pouco sinistramente, as pessoas criptográficas estão de facto a aproximar-se da construção destas coisas.


Havia Bitcointopia, por exemplo, que envolvia a venda de grandes extensões de terra em troca de Bitcoin. Havia o “Satoshi cruise liner”, que era uma espécie de conferência de criptografia abandonada, e um disaster

Não são só os fãs do “Bitcoiners altcoin” que também o fazem. Considere-se a “Blockchain City”, supostamente construída no deserto do Nevada por um milionário de criptográfico. E depois há a apoteose: El Salvador, aquele pequeno país centro-americano que Nayib Bukele e Bitcoiners transformaram num laboratório para experiências monetárias tresloucadas. E, claro, há a cidade Bitcoin de Francisco Suárez: Miami.

Bem-vindos à Costa Satoshi!


A questão ainda permanece: Serão construídas verdadeiras Cidadelas Bitcoin?

Percorrendo a Internet à procura de pistas, deparei-me com uma empresa chamada “Satoshi Shores”, um projecto que está a explorar activamente a marca Citadel. Ainda na obra, é a “primeira estância Bitcoin do mundo [sic] onde os entusiastas da cadeia de bloqueio e da moeda criptográfica podem trabalhar em rede no luxo”. Não é “uma estância de lazer qualquer”. É o primeiro do seu género o único resort de luxo dedicado aos utilizadores de Bitcoin em todo o mundo”. Também se descreve a si próprio como “A Cidadela Cripto”.

Perguntando-me se eles estavam a contratar (e pensando que talvez eu pudesse entrevistá-los), enviei um e-mail. A mensagem saltou.

Talvez eles tenham falido. Ou talvez tenham medo da imprensa livre. Mais provavelmente, porém, estão sentados na sua torre de marfim (estância inacabada) e não precisam de falar com algum repórter hacker.

É o sonho Bitcoiner, na verdade: ser fortificado, fortemente armado e abundantemente abastecido; fora da rede e sem resposta aos e-mails; a um total afastamento do resto da sociedade civil.

É bom para eles, e ainda melhor para o resto de nós.

Related Posts

Leave a Comment